Anúncio

Mais de 300 quilos de ‘moedas da sorte’ são retiradas das Cataratas do Iguaçu

Para os visitantes, apenas a chance de fazer um pedido. Mas para o parque, um grave problema: com o tempo os metais pesados, como níquel e cobre, contaminam as águas


A baixa vazão das Cataratas do Iguaçu, no Paraná, evidenciou um grande problema provocado por turistas, sobretudo os brasileiros. Com pouca água, paredões de pedras estão à mostra, deixando visíveis milhares de moedas jogadas na água, prática proibida no local. 

Para alguns turistas, é a chance de fazer um pedido. Mas para o parque nacional, um grave problema ambiental. 

Em entrevista ao G1, o biólogo do Parque Nacional do Iguaçu, Pedro Fogaça, explica que muitas moedas se dissolvem com o tempo e seus metais pesados, como níquel e cobre, vão parar na água. 

“Tiramos moedas que estão aqui, com certeza, há mais de 30 anos no rio. Elas vão se corroendo e esse metal pesado acaba contaminando a água. É uma contaminação química que afeta toda a cadeia alimentar”, disse Fogaça.


A equipe do parque retirou 329 quilos de moeda, um recorde histórico do parque. A maioria, moedas brasileiras. Na sequência, pesos argentinos e depois guaranis paraguaios.

Nenhum comentário

Anúncio

Tecnologia do Blogger.