Piolhos de pombo infestam hospital e ameaçam saúde de pacientes


O caso aconteceu em Brasília

Sala de esterilização dos materiais cirúrgicos do HRT foi contaminada pelos ácaros e também por fezes das aves abrigadas no local

Depois de disparar alerta sobre o risco do teto desabar e por goteiras no centro cirúrgico, outro problema tem preocupado o dia a dia de servidores e de pacientes do Hospital Regional de Taguatinga (HRT): o local está infestado de piolho de pombos. Funcionários que trabalham no local denunciam que, devido à presença crescente das aves na fachada da unidade, os ácaros passaram a entrar na estrutura do prédio e se espalhar internamente.

Segundo relatos à reportagem, a praga atingiu a sala de processamento de material estéril das unidades de terapia intensivas (UTIs), local onde são manuseados todos os equipamentos, passando pela pediátrica, a neonatal e até a de adulto.

O problema surgiu por causa de uma abertura entre as janelas da área que separa a sala do local onde os animais se abrigam. Segundo a denúncia, com as chuvas, a água contaminada pelas fezes dos pombos e piolhos acaba acumulando no teto e entrando no hospital por meio de goteiras.

Conhecida popularmente como “rato de asas”, a ave pode ajudar a transmitir inúmeras doenças ao homem, como a histoplasmose, criptococose, toxoplasmose, ornitose e salmonelose (veja abaixo). Já os piolhos, que se abrigam nas penas dos animais, causam dermatites e coceiras.

Funcionários relataram que a empresa responsável pela limpeza e manutenção do local não oferece serviço de dedetização e que, além disso, não teria como acessar o abrigo dos pombos para realizar a limpeza. A solução apontada seria o fechamento da fenda aberta entre a área onde ficam os pacientes com a região contaminada. Contudo, não houve manifestação por parte da direção da unidade para sanar o problema.

Procurada, a Secretaria de Saúde informou, por nota à coluna, que “a unidade possui contrato de manutenção vigente e que prevê a dedetização”. De acordo com o texto, “o serviço é realizado periodicamente, bem como a limpeza e a higienização de todos os setores”.

“Sobre a existência de pombos, a diretoria administrativa da Região de Saúde Sudoeste acionou a Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival) para inspecionar a área externa”. Conforme explicou a pasta ao Metrópoles, o órgão é responsável por desenvolver ações de controle da população dessas aves no DF.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.